Atelier Projeto II C

Ano
5
Ano lectivo
2021-2022
Código
02027985
Área Científica
Arquitetura
Língua de Ensino
Português
Outras Línguas de Ensino
Inglês
Modo de Ensino
Presencial
Duração
Semestral
Créditos ECTS
10.0
Tipo
Opcional
Nível
2º Ciclo - Mestrado

Conhecimentos de Base Recomendados

Todas as unidades curriculares do 1.º ciclo; Atelier de Projeto I; Urbanística; Urbanização; Urbanismo; Ciências Humanas.
Conhecimentos históricos e teóricos de ordenamento do território e do urbanismo.
Competências em análise, síntese, organização e planeamento estratégico.

Métodos de Ensino

Teóricas: exposição e debate de conceitos e teorias relativos aos conteúdos programáticos

Teórico-práticas: acompanhamento direto e continuado do discente no desenvolvimento de um exercício prático

Palestras de prof. e profissionais convidados de urb., arq., direito adm. e eco.

Visitas de estudo às áreas de intervenção e a lugares exemplares

Avaliação: contínua (trabalho em grupo e proposta individual de projeto urbano, incluindo um relatório); assiduidade (min. 70%) e participação nas aulas; sessões de discussão

O não cumprimento de uma fase determina uma classificação final negativa.

Resultados de Aprendizagem

Com a Unidade Curricular Atelier de Projeto II inicia-se a fase final de um trajeto de simulação projetual desenvolvido ao longo do Curso de Mestrado Integrado em Arquitetura. Ela oferece temáticas e programas elegíveis pelo aluno, para que possa completar ou enriquecer o seu percurso académico, desenvolvido dentro e ou fora do DARQ/FCTUC. No Atelier de Projeto IIC - Território e Paisagem o aluno deverá:
- compreender e ensaiar os instrumentos e escalas do projecto da paisagem e do ambiente urbano;
- conhecer as problemáticas tipicamente associadas aos territórios ambientalmente sensíveis e ensaiar o cruzamento com as políticas de urbanização, e com as práticas mais comuns de apropriação e uso do solo;
- compreender as estratégias de adaptação e mitigação dos efeitos decorrentes das alterações climáticas.
- aplicar esses conhecimentos sobre uma área de intervenção, previamente seleccionada pelo docente, em território português ou no estrangeiro.

Estágio(s)

Não

Programa

Integrados em grupos de trabalho, os alunos devem desenvolver uma estratégia geral, e analisar e compreender:

-o suporte geofísico da área da intervenção e a sua evolução histórica, bem como o papel das preexistências físicas, naturais ou construídas;

-todos os programas arquitetónicos, preexistentes ou propostos, que devem investigar e desenvolver;

-o enquadramento nas políticas territoriais e urbanas existentes.

Depois, os alunos exploram em pares ou individualmente um setor particular da área de intervenção, onde aprofundam diferentes escalas do Projeto de Paisagem, com incursão no projeto urbano e desenho de espaço público. Dá-se particular importância ao (re)desenho de áreas sensíveis e à condição natural dos ambientes, adequando-os a novas procuras, usos e vivências, integrando os programas mais relevantes para a regeneração da área.

Os trabalhos finais são alvo de debate aberto, através da organização de exposições e colóquios com especialistas e cidadãos, em regime de workshop

Docente(s) responsável(eis)

António Alberto de Faria Bettencourt

Métodos de Avaliação

Avaliação
Trabalho de investigação: 10.0%
Trabalho de síntese: 10.0%
Outra: 10.0%
Outra: 10.0%
Trabalho laboratorial ou de campo: 10.0%
Projecto: 50.0%

Bibliografia

AAVV. (1996), Presente y Futuros: arquitectura en las ciudades, XIX Congreso da UIA, Barcelona
ASCHER, F. (2004), Los Nuevos Principios del Urbanismo. Madrid: Alianza Ensayo
CORBOZ, A. (2001), Le Territoire comme palimpseste et autres essais, Besançon: Les Éditions de L’Imprimeur.
HALL, P. (2000), Cities in Civilisation, London: Weidenfeld.
KOSTOV, S. (1991-2), The City Shaped / The City Assembled. London: Thames & Hudson (2 vols.).
PORTAS, N., DOMINGUES, A. CABRAL, J. (2003), Políticas Urbanas. Tendências, Estratégias, Oportunidades, Lisboa:
Fundação Calouste Gulbenkian.
Portas, Nuno et al. (2011). Políticas Urbanas. Transformações, regulação e projectos. II. Lisboa: Fundação Calouste
Gulbenkian