Análise de Materiais Romanos

Ano
0
Ano lectivo
2018-2019
Código
01010946
Área Científica
Área Científica do Menor
Língua de Ensino
Português
Modo de Ensino
Presencial
Duração
Semestral
Créditos ECTS
6.0
Tipo
Opcional
Nível
1º Ciclo - Licenciatura

Conhecimentos de Base Recomendados

NA

Métodos de Ensino

Teórica: apresentação dos principais tópicos para cada item dos conteúdos programáticos. Prática: identificação e classificação de materiais cerâmicos (esta componente prática, levada a cabo em grupo ou individualmente, assume neste âmbito um peso significativo). Os recursos didáticos incluem apresentações em Powerpoint e, sobretudo, a observação presencial ou direta de cerâmicas romanas (e outros materiais arqueológicos associados). Encontra-se previsto um ou mais testes escritos individuais a efetuar no decurso das aulas, de acordo com o regime de avaliação periódica a implementar.  

Resultados de Aprendizagem

As/os alunas/os deverão ser capazes de:

- dominar a terminologia técnica específica e desenvolvam a competência prática que lhes permita observar e descrever as cerâmicas romanas do ponto de vista formal e tecnológico, sabendo também agrupar fabricos cerâmicos;

- identificar e classificar as diferentes categorias de cerâmicas romanas, consultando a bibliografia específica para cada tipo;

- compreender a importância do achado de materiais contextualizado (estratigraficamente) em escavação;

- entender o estudo dos materiais como um meio essencial para fornecer respostas a questões de diversa natureza (cronológica, funcional, económica, social) que a investigação arqueológica coloca.

Estágio(s)

Não

Programa

A cerâmica romana

1. A sua diversidade e importância (enquanto indicadores cronológicos, funcionais, económicos e sociais)

2. A relevância do contexto (estratigráfico) de achado

3. O processo de estudo da cerâmica comum

3.1. O inventário: da descrição à classificação cronológica, tipológica e funcional e análise tecnológica

3.2. Do agrupamento em fabricos à individualização dos tipos

3.3. Metodologias analíticas para o estudo arqueométrico (análise de pastas e estudo da proveniência)

4. As importações: centros produtores, tipologias e cronologias

4.1. Cerâmica campaninense

4.2. Terra sigillata

4.3. Ânforas

4.4. Paredes finas, lucernas e outras cerâmicas importadas.

Docente(s) responsável(eis)

Ricardo Jorge Costeira da Silva

Métodos de Avaliação

Avaliação
Participação nas aulas: 10.0%
Resolução de problemas: 10.0%
Frequência: 80.0%

Bibliografia

BELTRAN, M. (1990): Guia de la Cerámica Romana, Libr. Pórtico, Saragoça. BERNAL CASASOLA, D., RIBERA, A. (eds.) (2008): Cerámicas hispanorromanas. Un estado de la cuestión, Univ. de Cádiz. ETTLINGER et al. (1990): Conspectus Formarum Terrae Sigillatae Italico Modo Confectae, 10, Bona. GENIN, Martine et al. (2007): La Graufresenque (Millau, Aveyron) – Vol. 2, Sigillées lisses et autres productions. MAYET, F. (1984): Les céramiques sigillées hispaniques: contribution à l`histoire économique de la Péninsule Iberique sous l`Empire Romain, (Coll. Maison des Pays Ibériques; 21) Bordeaux: Publ. Centre Pierre Paris. PINTO, I. V. (2003): A cerâmica comum das villae romanas de São Cucufate (Beja). Colecção Teses. Lisboa: Universidade Lusíada. ROCA ROUMENS, M. E FERNÁNDEZ GARCIA, M. I. (coord) (2005): Introducción al estudio de la cerámica romana. Una breve guía de referencia, Serv. Publ. Intercamb., Universidad de Málaga.