Intervenção Sistémica em Problemas e Populações Especiais

Ano
4
Ano lectivo
2019-2020
Código
02018018
Área Científica
Psicologia
Língua de Ensino
Português
Modo de Ensino
Presencial
Duração
Semestral
Créditos ECTS
6.0
Tipo
Obrigatória
Nível
2º Ciclo - Mestrado

Conhecimentos de Base Recomendados

Recomenda-se a frequência, com aprovação, das u.c.s do 1º semestre da sub-área de especialização Psicoterapia Sistémica e familiar. O aluno deve ter bons conhecimentos de língua inglesa (leitura) considerando que muitas referências bibliográficas são em inglês.

Métodos de Ensino

Ensino teórico-prático com recurso a métodos expositivos, discussão sobre leituras específicas e materiais clínicos (ex. vinhetas, vídeos) articulados com métodos ativos (ex. role-playing) para treino de competências práticas.

Resultados de Aprendizagem

Adquirir conhecimentos específicos e competências práticas para trabalhar sistemicamente com tipos particulares de clientes e problemas, tais como casais (problemas comuns e situações de ruptura), idosos e famílias multidesafiadas; doença crónica e violência familiar.

Estágio(s)

Não

Programa

Módulo I

Intervenção sistémica e problemas especiais

1. Doença crónica

1.1. Modelos sistémicos de avaliação e intervenção

1.2. Família e doença crónica. Conceptualização e intervenção (terapia familiar, grupos psicoeducativos e multifamiliar)

1.3. Relação com outros sistemas e profissionais.

2. Violência familiar

2.2. Definição e tipos de violência – leituras sistémicas

2.3. Avaliação e intervenção

 

Módulo II

Intervenção sistémica e populações especiais

1. Casal e conjugalidade

1.1. Desafios comuns e terapia de casal: sexualidade, questões financeiras e laborais, impacto das novas tecnologias, desempenho da parentalidade e relações com famílias de origem

1.2. Situações de rutura: pós-divórcio e mediação

2. Idosos e família

2.1. Desafios e impactos, normativos e inesperados

2.2. Prestação de cuidados familiares e institucionais

3. Famílias multidesafiadas

3.1. Conceito(s), avaliação e intervenção

3.2. Relação com e entre sistemas de apoio.

Docente(s) responsável(eis)

Luciana Maria Lopes Sotero

Métodos de Avaliação

Avaliação
Trabalho prático de grupo com o desenvolvimento aprofundado de competências práticas específicas para um dos problemas/populações especiais (50%): 50.0%
Frequência: 50.0%

Bibliografia

Areia, N., Major, S., Relvas, A. P. (2017). Needs of the terminally ill's relatives in palliative care: Critical review of literature. Psychologica, 60, 137-152.

Frankel, H. & Frankel, S. (2006). Family therapy, family practice and family poverty: Historical perspectives and recent developments. Journal of Family Social Work, 10, 4, 43- 80.

Johnson, M. (2006). Conflict and control: gender symmetry and asymmetry in domestic violence. Violence against women, 12, 1019-1025.

Madsen, W. C. (2009). Collaborative helping: A practice framework for family centered services. Family Process, 48 (1), 103-116.

Pereira, R. (2011). Psicoterapia de la violencia filio-parental. Entre el secreto y la vergüenza. Madrid: Morata.

Sotero, L., Major, S., Escudero, V., & Relvas, A. P. (2016). The therapeutic alliance with involuntary clients: How does it work? Journal of Family Therapy, 38(1), 36-58.

Sousa, L.; Mendes, A. & Relvas, A. P. (2007). Enfrentar a velhice e a doença crónica. Lisboa: Climepsi.