a carregar...

Mestrado em Astrofísica e Instrumentação para o Espaço

Departamento de Física

abrir site outros cursos
Ano lectivo

2017-2018

Código DGES

M154

Tipo de Curso

2º Ciclo - Mestrado de Especialização Avançada

Qualificação Atribuída

Mestre

Duração

4 Semestre(s)

Créditos ECTS

120.0

Categoria

Mestrado de Especialização Avançada

Coordenador(es) do Curso

João Manuel de Morais Barros Fernandes (jmfernan@mat.uc.pt)

Coordenador(es) Departamental(ais) ECTS

Maria Isabel Silva Ferreira Lopes (isabel@lipc.fis.uc.pt)

Objetivos Gerais do Curso
O Mestrado tem o objetivo de dar formação especializada nas áreas da Astrofísica e da Instrumentação para o Espaço a diplomados em Física, Engenharia e áreas afins, com vista a formar profissionais que possam interagir
ou integrar equipas científicas de grandes organizações (e.g, ESA, ESO, NASA, etc…) e empresas tecnológicas com actividades na área do espaço.
A estrutura muito versátil do Mestrado, permite ao estudante escolher unidades curriculares que mais se ajustem ao seu perfil e que melhor complementem a sua formação anterior, face às áreas de oportunidade que mais lhe interessem. Assim, pode centrar-se mais na astrofísica, na cosmologia teórica, na modelação computacional e análise de dados, ou ser mais voltada para a instrumentação, navegação e geo-observação.
O Mestrado pretende dar os instrumentos para interagir e colaborar no contexto fortemente multidisciplinar da astrofísica atual e da atividade no domínio do espaço.
Objetivos da Aprendizagem e Competências a Desenvolver
Mestrado tem o objetivo de dar formação especializada nas áreas da Astrofísica e da Instrumentação para o Espaço a diplomados em Física, Engenharia e áreas afins, com vista a formar profissionais que possam interagir ou integrar equipas científicas de grandes organizações (e.g, ESA, ESO, NASA, etc…) e empresas tecnológicas com actividades na área do espaço. A estrutura muito versátil do Mestrado, permite ao estudante escolher unidades curriculares que mais se ajustem ao seu perfil e que melhor complementem a sua formação anterior, face às áreas de oportunidade que mais lhe interessem. Assim, pode centrar-se mais na astrofísica, na cosmologia teórica, na modelação computacional e análise de dados, ou ser mais voltada para a instrumentação, navegação e geo-observação. O Mestrado pretende dar os instrumentos para interagir e colaborar no contexto fortemente multidisciplinar da astrofísica atual e da atividade no domínio do espaço. Cada disciplina tem uma ficha de especificação técnica amplamente divulgada através do site web do DF, sendo objetivos de cada unidade curricular bem conhecidos dos estudantes e dos docentes. A elaboração de sumários de todas as aulas lecionadas permite em cada momento monitorizar o cumprimento dos objetivos programáticos previstos para cada unidade curricular. Ao longo do curso é incentivada a capacidade do aluno para resolver e discutir problemas e expor as suas conclusões, quer oralmente quer por escrito. A medida do grau de cumprimento individual dos objetivos propostos varia de acordo com a unidade curricular, podendo ser feita através de realização de provas escritas e orais ou por via da realização e discussão de trabalhos e relatórios acerca de matérias específicas, de acordo com o previsto para essa unidade curricular. A prossecução dos objetivos gerais do curso é também ponderada a partir da capacidade evidenciada pelos alunos que apresentam seminários públicos e pela discussão das dissertações de Mestrado e as opiniões expressas pelos respetivos júris acerca da qualidade dessas teses.
Regime de Estudo
O Curso é ministrado em horário diurno.
Acesso a um Nível de Estudos Superior
Doutoramento
Condições de Acesso e Ingresso

1. Podem candidatar-se ao acesso ao ciclo de estudos conducente ao grau de mestre:
a) Titulares do grau de licenciado ou equivalente legal em Física, Engenharia Física,Matemática, Engenharia Geográfica e áreas afins;
b) Titulares de um grau académico superior estrangeiro conferido na sequência de um 1º ciclo de estudos organizado de acordo com os princípios do Processo de Bolonha por um Estado aderente a este Processo, nas áreas referidas na alínea a);
c) Titulares de um grau académico superior obtido no estrangeiro que seja reconhecido como satisfazendo os objectivos do grau de licenciado numa das áreas referidas nas alíneas anteriores pelo Conselho Científico da FCTUC;
d) Em casos devidamente justificados, os detentores de um currículo científico e profissional relevante para a frequência deste ciclo de estudos e que, como tal, que seja reconhecido pelo Conselho Científico da FCTUC.
2 - O reconhecimento a que se referem as alíneas b) a d) do n.º 1 tem como efeito apenas o acesso ao ciclo de estudos conducente ao grau de mestre e não confere ao seu titular a equivalência ao grau de licenciado ou o reconhecimento desse grau.

A informação disponibilizada não dispensa a consulta do Aviso de Abertura disponível nesta página.

Reconhecimento da Aprendizagem Prévia
O reconhecimento dos conhecimentos prévios ao curso expressa-se no próprio reconhecimento da licenciatura que é exigida. Podem também ser reconhecidos para efeitos de creditação trabalhos/projectos apresentados em complemento ao diploma de licenciatura.
Enquadramento Legal da Qualificação
Decreto-Lei n.º 74/2006, de 24 de Março, alterado e republicado pelo DL n.º 107/2008, de 25 de Junho; Portaria n.º 782/2009, de 23 de Julho. O plano de estudos enquadra-se no Despacho nº 20133/2009, actualizado pelo Despacho nº 2653/2011.
Saídas Profissionais
Actividades de investigação em laboratórios e instituições de investigação e desenvolvimento, nomeadamente as que integram equipas nas grandes organizações internacionais (ESA, EUSO, CERN, etc...);

actividades de projecto e desenvolvimento em empresas tecnológicas especializadas que operem no domínio espacial;

actividades nos sectores com forte pendor tecnológico e computacional, nomeadamente nos serviços e em nichos de tecnologia especializada;

actividades de educação e divulgação e difusão da cultura científica em instituições de ensino e em museus de ciência e afins.
Regras de Avaliação e Classificação
Sendo a avaliação uma atividade pedagógica indissociável do ensino, destina-se a apurar as competências e os conhecimentos adquiridos pelos estudantes, o seu espírito crítico, a capacidade de enunciar e de resolver problemas, bem como o seu domínio da exposição escrita e oral. São admitidos a provas de avaliação os estudantes inscritos nas respetivas unidades curriculares no ano letivo a que as provas dizem respeito e, simultaneamente, inscritos nessas provas, quando tal inscrição for necessária, nos termos do nº 6 do artigo 4º do Regulamento Pedagógico da Universidade de Coimbra. Entendem-se por elementos de avaliação os seguintes exemplos: Exame escrito ou oral, testes, trabalhos escritos ou práticos, bem como projetos, individuais ou em grupo, que poderão ter de ser defendidos oralmente e a participação nas aulas. A avaliação de cada unidade curricular pode incluir um ou mais dos elementos de avaliação indicados anteriormente. A classificação de cada estudante, para cada unidade curricular, traduz-se num valor inteiro compreendido entre 0 e 20 valores e consideram-se aprovados os estudantes que obtiverem a classificação final mínima de 10 valores. Sempre que a avaliação de uma unidade curricular compreenda mais do que um elemento de avaliação, a nota final é calculada a partir das classificações obtidas em cada elemento de avaliação, através de uma fórmula tornada pública na ficha de unidade curricular, nos termos do nº 2 do artigo 7.º do RPUC.
Requisitos para Obtenção da Qualificação

A conclusão do curso obtém-se com um número mínimo de 120 ECTS.

Plano de Estudos
Avisos de Abertura
Calendário
1º Semestre
Data de início: 11-09-2017
Data de fim: 21-12-2017
2º Semestre
Data de início: 05-02-2018
Data de fim: 30-05-2018
Acreditações
- A3ES
Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior
Período(s)
  • 2016-10-06 a 2022-10-05
R/A-Ef 1551/2011 - DGES
Direcção Geral de Ensino Superior
Período(s)
  • 2011-03-18