a carregar...

Mestrado em Engenharia Geográfica

Departamento de Matemática

abrir site outros cursos
Ano lectivo

2017-2018

Plano de estudos em processo de alteração para 2017/2018.

Código DGES

6093

Tipo de Curso

2º Ciclo - Mestrado de Continuidade

Qualificação Atribuída

Mestre

Duração

4 Semestre(s)

Créditos ECTS

120.0

Categoria

Mestrado de Continuidade

Coordenador(es) do Curso

Cidália Maria Parreira da Costa Fonte (cfonte@mat.uc.pt)

Coordenador(es) Departamental(ais) ECTS

Ana Paula Jacinto Santana Ramires (aps@mat.uc.pt)

Objetivos Gerais do Curso
O Mestrado em Engenharia Geográfica tem como objectivo formar profissionais que apresentem os seguintes perfis nas várias áreas da Engenharia Geográfica:
Cartografia e Sistemas de Informação Geográfica (SIG)
• Direcção, gestão e execução de produção de cartografia topográfica e temática
• Concepção, desenvolvimento, gestão, execução e avaliação de projectos SIG
• Concepção, desenvolvimento, gestão, execução e avaliação de infra-estruturas de disponibilização de dados espaciais
• Controlo da qualidade de produtos cartográficos e de SIG
Fotogrametria e Detecção Remota
• Concepção, desenvolvimento, gestão e execução de projectos de fotogrametria aérea e terrestre.
• Concepção, desenvolvimento, gestão e avaliação de informação geográfica adquirida por sensores ópticos, laser e radar.
Geodesia e Sistemas de Posicionamento e Navegação
• Concepção, desenvolvimento, gestão, execução e avaliação de projectos, processos e produtos de Geodesia;
• Concepção, desenvolvimento, gestão, execução e avaliação de infra-estruturas permanentes de redes GNSS (Global Navigation Satellite System) para posicionamento rigoroso e navegação.
Áreas afins da Engenharia e da Tecnologia
• Concepção, desenvolvimento, gestão, execução e avaliação de produtos baseados em informação espacial para a indústria.
As áreas de Engenharia Geográfica são fundamentais para o desenvolvimento sustentado de qualquer país. Os conhecimentos associados à representação do território, como seja, por exemplo, a escolha e actualização dos sistemas de referência utilizados em Portugal, a produção e actualização da cartografia nacional e regional e a observação e manutenção da rede geodésica nacional, são áreas específicas da Engenharia Geográfica e são de extrema importância para o desenvolvimento do país. De facto, tal como referiu Sua Excelência o Secretário de Estado da Administração Local, na sua intervenção por ocasião da cerimónia de tomada de posse dos membros do conselho de administração do Instituto Geográfico Português, em Lisboa, a 30 Julho de 2003, “só com o recurso às tecnologias de informação geográfica e a uma informação geográfica de qualidade é possível acautelar a compatibilização dos diferentes instrumentos de gestão do território”.
O Mestrado em Engenharia Geográfica está estruturado em 2 anos lectivos correspondentes a 120 ECTS. No primeiro ano há 10 disciplinas semestrais e no segundo ano há uma disciplina semestral e a realização de uma dissertação ou estágio.
Objetivos da Aprendizagem e Competências a Desenvolver
O Mestrado em Engenharia Geográfica tem como objectivo formar profissionais que apresentem os seguintes perfis nas várias áreas da Engenharia Geográfica:Cartografia e Sistemas de Informação Geográfica (SIG) • Direcção, gestão e execução de produção de cartografia topográfica e temática • Conceção, desenvolvimento, gestão, execução e avaliação de projectos SIG • Conceção, desenvolvimento, gestão, execução e avaliação de infra-estruturas de dados espaciais • Controlo da qualidade de produtos cartográficos e de SIG Fotogrametria e Detecção Remota • Conceção, desenvolvimento, gestão e execução de projectos de fotogrametria aérea e terrestre. • Conceção, desenvolvimento, gestão e avaliação de informação geográfica adquirida por sensores ópticos, laser e radar. Geodesia e Sistemas de Posicionamento e Navegação • Conceção, desenvolvimento, gestão e execução de projectos, processos e produtos de Geodesia; Áreas afins da Engenharia e da Tecnologia • Conceção, desenvolvimento, gestão, execução e avaliação de produtos baseados em informação espacial para a indústria e sociedade.As áreas de Engenharia Geográfica são fundamentais para o desenvolvimento sustentado de qualquer país, tanto no setor privado como público, uma vez que atualmente a grande maioria da informação é georreferenciada. Só com o recurso às tecnologias de informação geográfica e a uma informação geográfica de qualidade é possível desenvolver produtos, processos e decisões de qualidade para o desenvolvimento das empresas e acautelar a compatibilização dos diferentes instrumentos de gestão do território. O Mestrado em Engenharia Geográfica está estruturado em 2 anos lectivos correspondentes a 120 ECTS. No primeiro ano há 9 disciplinas semestrais obrigatórias, todas nas áreas acima indicadas, e uma disciplina opcional, que permite aos alunos obterem competências adicionais diversificadas em função dos interesses de cada um. No segundo ano há uma disciplina semestral obrigatória, também numa das áreas acima indicadas e a realização de uma dissertação ou estágio. Todas as disciplinas tem uma componente teórica e uma componente aplicada, que permite aos estudantes obter as competências necessárias não só para a conceção e gestão de processos e produtos, mas também para a sua execução.
Regime de Estudo
Tempo integral ou parcial, em regime presencial para avaliação contínua, diurno.
Acesso a um Nível de Estudos Superior
O Mestrado em Engenharia Geográfica dá preparação adequada para ingressar no 3º ciclo (doutoramento) em Engenharia Geográfica ou noutras áreas afins.
Condições de Acesso e Ingresso

1. Podem candidatar-se ao acesso ao ciclo de estudos conducente ao grau de mestre:
a) Os titulares do grau de licenciado ou equivalente legal na área da Engenharia, Matemática ou outras Ciências afins, que tenham de preferência conhecimentos mínimos nas disciplinas que integram o Menor em Engenharia Geográfica;
b) Titulares de um grau académico superior estrangeiro conferido na sequência de um 1º ciclo de estudos organizado de acordo com os princípios do Processo de Bolonha por um Estado aderente a este Processo, nas áreas referidas na alínea a);
c) Titulares de um grau académico superior obtido no estrangeiro que seja reconhecido como satisfazendo os objectivos do grau de licenciado pelo Conselho Científico da FCTUC;
d) Em casos devidamente justificados, os detentores de um currículo científico e profissional relevante para a frequência deste ciclo de estudos e que, como tal, que seja reconhecido pelo Conselho Científico da FCTUC.
2 - O reconhecimento a que se referem as alíneas b) a d) do n.º 1 tem como efeito apenas o acesso ao ciclo de estudos conducente ao grau de mestre e não confere ao seu titular a equivalência ao grau de licenciado ou o reconhecimento desse grau.

A informação disponibilizada não dispensa a consulta do Aviso de Abertura disponível nesta página.

Reconhecimento da Aprendizagem Prévia
A experiência prévia é tida em conta e eventualmente reconhecida por meio de equivalências.
Enquadramento Legal da Qualificação
A qualificação tem enquadramento no Decreto-Lei n.º 74/2006, de 24 de Março, alterado e republicado pelo Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de Junho; Portaria n.º 782/2009, de 23 de Julho.
Saídas Profissionais
Os mestres em Engenharia Geográfica podem realizar trabalho em várias áreas (autonomamente ou integrado numa equipa multidisciplinar), nomeadamente:
• Produção Cartográfica
• Cadastro
• Tecnologias da Informação Geográfica
• Sistemas de Informação Geográfica
• Detecção Remota
• Fotogrametria
• Processamento digital de imagem
• Topografia
• Geodesia
• Geodinâmica
• Navegação e Controlo de Tráfego
• Apoio à construção de grandes obras de Engenharia (pontes, barragens, auto-estradas e linhas férreas)
• Apoio à gestão de recursos e ordenamento do território (Agricultura, Geologia, Florestas e Ambiente)
• Controlo de obras
• Apoio à Engenharia industrial e mineira
Podem assim trabalhar em organismos públicos ou privados. Entre os organismos públicos empregadores de Engenheiros Geógrafos podemos referir:
• Instituto Geográfico Português (IGP);
• Instituto Geográfico do Exército (IGeoE)
• Instituto Hidrográfico
• Instituto da Água (INAG)
• Câmaras municipais e serviços municipalizados
• Gabinetes de apoio técnico (GAT’s),
• Comissões de Coordenação e Direcções Regionais
No sector privado, os Engenheiros Geógrafos podem encontrar trabalho em pequenas e médias empresas, nomeadamente nas áreas de Cartografia, Topografia, Sistemas de Informação Geográfica, Sistemas de Posicionamento e Fotogrametria, em empresas como: AmbiSIG, Artop, Estereofoto, Geoglobal, Geometral, Inforgeo, Municípia, Novageo e muitas outras, ou empresas multinacionais, como a Autodesk, ESRI, Intergraph, Leica Geosystems, Sokkia, Topcon, Trimble, etc.
O Engenheiro Geógrafo pode ainda dedicar-se à investigação científica e docência, trabalhando em Instituições de Ensino Superior, nomeadamente Universidades e Escolas Politécnicas, ou ainda como docentes no ensino secundário profissional e tecnológico, nas áreas de Engenharia Geográfica e afins.
Regras de Avaliação e Classificação
Sendo a avaliação uma atividade pedagógica indissociável do ensino, destina-se a apurar as competências e os conhecimentos adquiridos pelos estudantes, o seu espírito crítico, a capacidade de enunciar e de resolver problemas, bem como o seu domínio da exposição escrita e oral. São admitidos a provas de avaliação os estudantes inscritos nas respetivas unidades curriculares no ano letivo a que as provas dizem respeito e, simultaneamente, inscritos nessas provas, quando tal inscrição for necessária, nos termos do nº 6 do artigo 4º do Regulamento Pedagógico da Universidade de Coimbra. Entendem-se por elementos de avaliação os seguintes exemplos: Exame escrito ou oral, testes, trabalhos escritos ou práticos, bem como projetos, individuais ou em grupo, que poderão ter de ser defendidos oralmente e a participação nas aulas. A avaliação de cada unidade curricular pode incluir um ou mais dos elementos de avaliação indicados anteriormente. A classificação de cada estudante, para cada unidade curricular, traduz-se num valor inteiro compreendido entre 0 e 20 valores e consideram-se aprovados os estudantes que obtiverem a classificação final mínima de 10 valores. Sempre que a avaliação de uma unidade curricular compreenda mais do que um elemento de avaliação, a nota final é calculada a partir das classificações obtidas em cada elemento de avaliação, através de uma fórmula tornada pública na ficha de unidade curricular, nos termos do nº 2 do artigo 7.º do RPUC.
Requisitos para Obtenção da Qualificação

Elaboração de uma dissertação ou realização de estágio e elaboração do respectivo relatório, sujeitos a defesa pública.

Plano de Estudos
Avisos de Abertura
Calendário
1º Semestre
Data de início: 11-09-2017
Data de fim: 21-12-2017
2º Semestre
Data de início: 05-02-2018
Data de fim: 30-05-2018
Acreditações
- A3ES
Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior
Período(s)
  • 2017-02-13 a 2023-02-12
R/A-Ef 1568/2011 - DGES
Direcção Geral de Ensino Superior
Período(s)
  • 2011-03-18